Posts Marcados Com: O que conhecer em Chicago

Chicago das alturas – 360ºChicago e Skydeck

1. 360ºCHICAGO no John Hancock Center

Competindo com o Skydeck, o observatório 360Chicago é mais uma oportunidade de ver a cidade das alturas. A partir do 94º andar do John Hancock Center, podemos ter uma vista de 360º de Chicago e ainda avistar mais quatro estados americanos, além da visão privilegiada do Lago Michigan. É de deixar qualquer par de olhos deslumbrado.

360Chicago John Hancock Center Chicago

Construído em 1969, o edifício conta conta com 100 andares e uma altura de 344 metros, sendo o terceiro mais alto de Chicago. A sua localização também é um diferencial, bem na Magnificente Mile, ao lado do shopping Water Tower Place (estava fechado quando fomos porque era Natal) e próximo ao Lago Michigan.

John Hancock Center

John Hancock Center

360Chicago John Hancock Center Chicago

De forma geral, o 360Chicago costuma ser mais tranquilo que o Skydeck, mas, como fomos exatamente no dia de Natal, resolvemos chegar bem cedo, logo na abertura, com objetivo de evitar as filas intermináveis de turistas que estavam procurando as mesmas raras atrações abertas. E deu certo! Não pegamos fila alguma, mas em compensação… o Skydeck foi outra história, como comentaremos logo mais. Então, considero um erro de estratégia o que fizemos, e deixo aqui para que outras pessoas não cometam o mesmo equívoco. Deveríamos ter ido de manhã ao Skydeck e de tarde/noite ao 360Chicago. Por quê? Primeiro, o Skydeck é mais procurado e, portanto, é onde se deve chegar bem cedo a fim de evitar as filas monstruosas, ainda mais se for um dia de feriado. Segundo, achamos que os Ledges são melhores aproveitados de dia.

360Chicago John Hancock Center Chicago 360Chicago John Hancock Center Chicago

Além dos diferentes ângulos de Chicago, ainda podemos sentir um pouco de adrenalina. O Tilt é uma atração do 360Chicago e possui uma taxa extra de 7U$, paga no próprio andar do observatório. Os meninos queriam muito ir, e era permitido para crianças, mas tive receio se seria legal para idade deles. Fui primeiro com o marido para experimentar. Dá frio na barriga? Dá! Mas só no início, quando a plataforma começa a se movimentar e percebemos que estamos “saindo” do prédio. A sensação é estranha. E depois é como se o cérebro entendesse do que se trata e aquele receio, medo, nervoso, sei lá, passa. Quem olhar apenas para frente não vai sentir muita coisa de diferente do que se estivesse olhando do prédio em inclinação normal. Tem que olhar pra baixo e ver a rua lá embaixo. É legal! A duração da atração é bem rápida e a plataforma faz duas paradas progressivas até atingir sua inclinação máxima de 30º.

E os meninos? Claro que eles encararam! Pergunta se tiveram medo. E se gostaram? As fotos respondem…

Crianças TILT 360Chicago John Hancock Center Chicago

TILT

Localização: 875 N Michigan Avenue, Chicago, IL 60611

Horário de Funcionamento: diariamente das 9h às 23h, com última entrada às 22:30.

Ingresso: adulto – 19U$;

  criança (de 3 a 11 anos) – 13 U$

– Faz parte do CityPASS, mas como opção de escolha entre ele e o Museum of Science and Industry. Nós optamos pelo museu por questão de valores (a admissão era mais cara que o 360Chicago e fazia compensar mais o CityPASS).

2. Skydeck na Willis Tower

O que acontece quando se tem um feriado (no caso, o Natal) com a maioria das atrações fechada e um mundo de turistas procurando o que fazer em Chicago?

Claro! Horas de espera na fila.

Foi o que aconteceu quando fomos ao Skydeck, na Willis Tower, bem inocentes, querendo subir a tempo ter uma vista da cidade ainda de dia e acompanhar o anoitecer e os pontos de luzes iluminando o panorama. Doce ilusão, que foi estraçalhada quando chegamos à porta de entrada e já ouvimos o rouco funcionário gritando que o tempo de espera de todo o processo estava levando de uma hora a uma hora e meia. Algumas pessoas já davam meia volta e saíam ao escutar isso, pena que não o suficiente para reduzir essa espera para uns 30 minutinhos. Não tínhamos outro dia disponível, e o jeito foi encarar.

A Willis Tower já foi conhecida como Sears Tower, tendo sua construção iniciada em 1970 e concluída em apenas 3 anos. Durante 24 anos, foi o edifício mais alto do mundo, até ser ultrapassado, em 1998, pela Twin Towers da Malásia. Ainda é o mais alto edifício dos EUA, com um total de 443 metros, superando o Empire State Building em Nova York.

O observatório fica no 103º andar, a 412 metros de altura. Em um dia de céu aberto, é possível ter uma visibilidade de 65 a 80 Km, tendo uma vista de quatro estados americanos (Illinois, Indiana, Wisconsin e Michigan).

Skydeck Willis Tower Chicago

Willis Tower

A nossa peregrinação de fila começava no térreo para pegar o elevador que levava apenas até o lobby, onde era feita a revista de bolsas e passava-se pelo raio X, para então chegar até a bilheteria. Foi só aí que a coisa começou a melhorar pro nosso lado. Quem tinha CityPASS estava cortando boa parte dessas filas, e, como queríamos fazer as demais atrações incluídas, vimos que o desconto oferecido compensava, isso sem contar com o fato de que, depois de comprado o CityPASS, ganhamos muito mais do que apenas 30 minutos de fila (era gente que não acabava mais), pulando praticamente para dentro do elevador que levava ao céu (ou ao topo do arranha-céu).

Esse elevador já merece um destaque. Enquanto vamos subindo e subindo e subindo, um vídeo é transmitido mostrando os andares atingidos e a altura crescente, em metros e pés, fazendo uma relação com cada estrutura famosa do mundo que acabamos de ultrapassar (como a Estátua da Liberdade, a pirâmide do Egito, o Space Needle em Seatle, a Torre Eiffel, e o Empire State Building), até chegar ao 103º andar. O ouvido garante que estamos alto!

Claro que depois de toda essa odisseia de filas, mesmo sobrevivendo ao fuzilamento de olhos irados ao deixarmos para trás sei lá quantas pessoas caminhando pelo corredor do CityPASS, quando chegamos ao Skydeck só víamos as luzes da cidade e o breu da noite (apesar de serem apenas 17h. Isso é um grande fator negativo de visitar a cidade no inverno, os dias curtos. Escurecia por volta das 16:30). Ao tirar a primeira fotografia, vimos que tinha sido uma grande furada. Por isso, deixamos aqui nosso ALERTA (novamente): se for para subir ao Skydeck apenas de noite, esqueça. Se conseguir chegar ainda de dia e ver o anoitecer de lá, ótimo. Caso contrário, vá de dia. Por quê? Olha a foto… Não fica muito boa de noite, porque não dá a real noção de que se está sobre um vidro.

Skydeck Ledge Willis Tower Chicago

Olhavam diretamente para baixo, mas a foto de noite não fica boa.

Entramos na fila (sim, mais fila) para os decks de vidro, chamados Ledge, que ficam em apenas uma das laterais do prédio.

Skydeck Ledge Willis Tower Chicago

Filas e mais filas

Os Ledges são como caixinhas de vidro que se estendem para fora do prédio por cerca de 1 metro, e ficar em pé sobre aquele piso transparente não é tão simples como imaginamos. Olhar para baixo, então… o coração sente! Bom, menos o dos meninos, que quando dei por mim já estavam deitados no vidro, delirando que estavam flutuando. Ok, então!

Skydeck Ledge Willis Tower Chicago

Nem pensaram duas vezes…

Mas não ter uma boa foto no deck nos deixou decepcionados e resolvemos pagar para ter um foto melhor, embora ainda ache que, mesmo com máquina profissional, as fotos devem ficar muito melhor durante o dia. Em um dos decks havia uma equipe local tirando foto. Entramos na fila (mais uma) e fomos garantir uma boa lembrança da nossa coragem. A foto impressa é retirada no lobby, quando descemos, e custou 25U$, mas depois de tanto sacrifício dos nossos pés (e ouvidos, e coração) ao enfrentar tantas filas, tinha que valer a pena.

Skydeck Ledge Willis Tower Chicago

Após circular o andar, aproveitando a vista da cidade de todos os ângulos, era hora de descer. E adivinha??? Claro que tinha fila! E grande, por sinal. De qualquer forma, é um passeio imperdível em Chicago, que diverte e dá um bom frio na barriga. Apenas recomendamos realmente que se evite subir apenas de noite, apesar das vistas noturnas das cidades serem um espetáculo à parte. Para aproveitar melhor o Ledge, a luz do dia é fator relevante. 😉

Skydeck Willis Tower Chicago Skydeck Willis Tower Chicago

Localização: a entrada para o Skydeck fica na Jackson Blvd. (parte sul do edifício), Chicago, IL 60606

Horário de Funcionamento: aberto diariamente, todos os dias do ano, das 9h às 22h (de Abril a Setembro) e das 10h às 20h (de Outubro a Março). A entrada é permitida até 30 minutos antes do encerramento.

Ingressos: adulto – 19.50U$;

    criança (3 a 11 anos) – 12.50U$

– Faz parte do CityPASS Chicago


(Facebook   Twitter   Instagram)
 
 
 

______________________________________________

Posts relacionados:

Chicago – caminhando por Downtown (Millennium Park e The Loop)

Chicago – Lincoln Park Zoo

O que fazer em Dallas

Houston – algumas opções de passeios na cidade

Passeando por Indianápolis? Dicas de onde ir

 

Anúncios
Categorias: Chicago, EUA, Viajando | Tags: , , , , , , , | Deixe um comentário

Chicago – caminhando por Downtown (Millennium Park e The Loop)

Quando se fala em Chicago, uma das primeiras imagens que vem à mente é aquele grande feijão prateado, o Cloud Gate. E não é que parece um feijão mesmo. Tanto que é mais conhecido pelo seu apelido, The Bean (o feijão, em inglês).

Cloud Gate Millennium Park Chicago

Com 110 tonelada, essa escultura da artista Anish Kapoor é formada por placas de aço inoxidável e foi inspirada no estado líquido do mercúrio. Sua superfície funciona como um espelho curvo que reflete o panorama distorcido da cidade e garante fotos únicas. Não é para menos que os turistas se aglomeram em volta do Cloud Gate em busca daquele melhor ângulo ou da foto mais divertida e inusitada. Caretas, poses, selfies, malabarismos, tentativas românticas ou simplesmente a captação daquele momento único, tudo está presente num rápido rolar de olhos pelo local. Nós não fomos diferentes!

Cloud Gate Millennium Park ChicagoCloud Gate Millennium Park Chicago

Impressionante como uma simples escultura garante tanto entretenimento, e gratuito, não podemos deixar de frisar, atraindo milhares de turistas do mundo inteiro. O poder da criatividade…

Cloud Gate Millennium Park Chicago

Diversão!

Cloud Gate Millennium Park Chicago

Ó nós ali!

A parte inferior, a superfície côncava da escultura, chamada Omphalos, oferece uma perspectiva diferente, multiplicando infinitamente as imagens refletidas.

Cloud Gate Millennium Park Chicago

Mas não é só o The Bean que faz do Millennium Park uma das melhores opções de passeio ao ar livre (sim, mesmo no inverno) em Chicago. E por falar em inverno, essa é a melhor época para treinar aquelas habilidades sobre os patins. No parque, bem em frente ao Cloud Gate, há uma pista de patinação no gelo, o McCormick Tribune Ice Rink, que ocupa exatamente a McCormick Tribune Plaza, em frente ao Park Grill. O ringue costuma funcionar de meados de Novembro a princípio de Março (variável) e tem entrada gratuita (quem não tem patins, paga o aluguel de 12U$). Uma hora antes da pista abrir nas sextas, sábados e domingos, ainda é possível pegar umas aulinhas grátis de patinação para, digamos, aprimorar aquelas tais habilidades (ou não pagar muito mico quando a multidão de turistas se aglomera em volta da pista).

McCormick Tribune Ice Rink

A poucos passos, está o Jay Pritzker Pavilion, projetado pelo arquiteto Frank Gehry e inaugurado em 2004. Esse anfiteatro ao ar livre com capacidade para 11.000 pessoas tem como destaque seu sistema de som e acústica, sendo palco para diversas apresentações artística e para o Grand Park Music Festival, um concerto de música clássica gratuito que ocorre durante o verão.

Jay Pritzker Pavilion Millennium Park Chicago

Não resistimos a uma caminhada pela diferente BP Pedestrian Bridge que, como o próprio nome sugere, é uma ponte para pedestres que liga o Millennium Park ao Maggie Daley Park, passando sobre a avenida Columbus Drive. Foi também projetada pelo arquiteto Frank Gehry e possui um trajeto em curva semelhante a uma cobra, com suas paredes formadas por placas sobrepostas de aço inoxidável. É mais do que uma simples ponte, é uma verdadeira obra de arte.

BP Pedestrian Bridge Millennium Park Chicago

A Crown Fountain consiste de duas torres de vidro com 15 metros cada, onde são projetos vídeos dos rostos de moradores de Chicago. No verão, um jato d’água é lançado da torre dando a impressão de que está jorrando da boca das pessoas. Não vimos porque, no inverno, a fonte não funciona, mas as imagem nas torres permanecem.

Crown Fountain Millennium Park Chicago

Não rodamos mais no Millennium Park porque ainda íamos para o Skydeck. Mas outros pontos de interesse no Millennium Park são:

Lurie Garden, um amplo jardim que funciona todos os dias das 6h às 23h. Acredito que seja mais bonito em outra estação que não no inverno.

Crédito: Center for Neighborhood Technolog (CC BY-SA 2.0)

Crédito: Center for Neighborhood Technology (Licença – CC BY-SA 2.0)

Wrigley Square e Millennium Monument

Créditos: Bernt Rostad (Licença - CC BY 2.0)

Créditos: Bernt Rostad (Licença – CC BY 2.0)

The Loop é o distrito financeiro e a sede administrativa de Chicago. Caminhar pelas ruas é a melhor forma de conhecer a região, embora o que dá um toque diferente à paisagem sejam exatamente as linhas de metrô de superfície (trilhos suspensos que fazem curvas e circulam o Loop).

The Loop Chicago

Também é um bom local para observar a arquitetura original de Chicago, uma das mais influentes no mundo e que faz as máquinas fotográficas enlouquecerem. Um incêndio de grandes proporções destruiu boa parte da cidade de Chicago no verão de 1871. Para reconstruí-la, contou-se com a ajuda de engenheiros e arquitetos de renome (fonte: Wikipedia).

A construção dos primeiros arranha-céus do mundo ocorreu em Chicago, criando, assim, novas técnicas de engenharia e estilos arquitetônicos que atraem muito além do que apenas curiosos e admiradores como nós turistas. Dessa forma, existem passeios de barco que oferecem tours guiados para quem quer aprender mais sobre a arquitetura da cidade, mas, infelizmente, não ocorrem durante o inverno. Nesse caso, exploramos a região a pé, enquanto nos encaminhávamos para o SkyDeck na Willis Tower.

Millennium Park Chicago

Mas não é apenas olhando para cima que caminhamos pelo The Loop. Para descansar o pescoço, contamos com diversas obras de artes dos mais famosos artistas, espalhadas por várias ruas da região. Dentre alguns, podemos citar: Pablo Picasso, com a obra The Picasso;  Marc Chagall e o seu As quatro estações (Four Seasons); Joan Miró com o Miss Chicago; Alexander Calder e a obra Calder`s Flamingo; Jean Dubuffet e o Monument with Standing Beast.

Calder's Flamingo The Loop Chicago

Calder’s Flamingo

Para um roteiro de algumas obras de arte no centro de Chicago (com mapa e tudo), vejam este post do Viagens que Sonhamos, da Francine Agnoletto.

Para quem deseja ainda mais obras de artes, uma das atração de Chicago é o Art Institute of Chicago, localizado ao lado do Millennium Park, e que funciona diariamente das 10:30 às 17h (nas quintas-feiras até 20h, com entrada gratuita a partir das 17h). Faz parte do CityPASS Chicago, mas como estávamos viajando com crianças, acabamos optando pelo Adler Planetarium.

O roteiro completo dessa viagem de norte a sul dos EUA você encontra aqui.


(Facebook   Twitter   Instagram)
 
 
 

______________________________________________

Posts relacionados:

O que fazer em Dallas

Houston – algumas opções de passeios na cidade

Passeando por Indianápolis? Dicas de onde ir

Memphis – conhecendo Graceland, a casa do Elvis Presley

Nashville – o que conhecer na Music City

New Orleans – dicas de passeios (com crianças)

Categorias: Chicago, EUA, Viajando | Tags: , , , , , , , | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: