EUA

Memphis – conhecendo Graceland, a casa do Elvis Presley

Nós seguimos de Nashville para Memphis, numa parada exclusivamente para conhecer Graceland, a mansão do Rei do Rock Elvis Presley. O estacionamento é pago e fica do outro lado da casa propriamente dita. Acontece que aquilo virou um verdadeiro complexo de Elvis Presley, ou melhor, uma máquina de ganhar dinheiro às custas do nome do cantor. Ali eu realmente acreditei na história de que “Elvis não morreu”. E não morreu mesmo, porque continua ganhando rios de dinheiro, já que os ingressos são beeeem carinhos.

Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Depois que estacionamos o carro, nos direcionamos para o Centro de Visitantes, onde há bilheteria, banheiros, lanchonete e várias lojas. Nessa área, também se encontram os dois aviões do Elvis e o museu do automóvel com os seus carros. Isso mesmo, dois aviões, os quais estão lá expostos para o público visitar.

Aviões de Elvis em Graceland Memphis Lojinha de souvenirs de Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Existem várias opções de ingressos, dependendo do que você deseja visitar e das demais exibições disponíveis. Nós optamos apenas pela mansão, por Graceland propriamente dita, já que estávamos no fim do dia (e também, vamos confessar, porque os valores eram muito salgados). Podemos dizer, mesmo sem conhecer o restante, que ficamos muito satisfeitos apenas com o tour pela mansão. Foi mais que suficiente, principalmente quando se está viajando com crianças. A efeito de informação, vou deixar os valores de todos os combos ao final.

Comprados os ingressos, embarcamos num micro-ônibus. No horário em que fomos, quase 15h, estava bem vazio e sem filas, e foi super tranquilo. Mas quem quer visitar todas as atrações, precisaria de mais tempo para não fazer com pressa. Apesar da bilheteria fechar às 16h, a visitação continua até mais tarde para quem já está com ingresso comprado.

Graceland Memphis Casa Elvis Presley

São entregues tablets e fones de ouvido para cada pagante (como as crianças menores de 6 anos não pagam, não recebem o tablet. Isso foi um pouco ruim porque os meninos ficavam curiosos querendo saber o que estávamos ouvindo, e acabou que meu marido deixou o dele com as crianças e não acompanhou bem o audio tour).

Viajando com crianças em Graceland Memphis

Os meninos acabavam disputando o fone de ouvido do audio tour do pai

É através do tablet que acompanhamos a visita pela mansão, já que todas as informações e curiosidades são relatadas em cada cômodo que passamos. É bem legal! E ainda são apresentados alguns vídeos e fotos extras. O áudio está disponível em português. É só escolher logo no início da apresentação, onde aparecem as bandeiras dos países. Não tinha uma bandeira do Brasil, e sim de Portugal, apesar do português falado ser o bem brasileiro.

Tablet e fone do audio tour em Graceland Memphis

Tablet e fone do audio tour

mídia do audio tour em Graceland

Mídia do audio tour

O ônibus atravessa a rua e entra pelo portão de Graceland, passando pelo jardim e indo até a frente da mansão, onde desembarcamos. Claro que a foto na frente da casa é imperdível, mas deixamos a nossa para o final do passeio e foi bom porque não tinha ninguém para atrapalhar o click.

Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Graceland

Ao entrar na casa, você pode seguir o seu próprio ritmo, ouvindo as informações no áudio do tablet por cada cômodo que passa. Entretanto, na prática, não é bem isso que ocorre. Acaba que o espaço lá dentro é bem pequeno e apertado (pros padrões de hoje, a casa não tem nada de mansão), e, apesar de entrarem poucas pessoas por vez, fica tumultuado. E olha que, como já falei, fomos num horário que não havia muitas pessoas. Como cada um vai fazendo o passeio por conta própria, alguns vão mais rápido, muitas vezes sequer ouvindo tudo do audio tour, outros mais lento, assistindo também aos outros vídeos extras da apresentação multimídia. Com as cordas delimitando os cômodos, temos pouco espaço para observar e tirar fotos. Acaba ficando também uma certa pressão das pessoas que estão atrás aguardando para ver aquele mesmo cômodo.

Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Frente da mansão

Graceland foi comprada por Elvis em 1957 e manteve seu nome, que era uma homenagem a filha, Grace, do primeiro proprietário da então fazenda.

O primeiro cômodo da casa é a sala de estar, lugar onde Elvis recebia seus convidados. Ao fundo, está o piano do cantor.

Sala de estar da casa de Elvis Presley, Graceland, Memphis

Sala de Estar com o piano ao fundo (que a árvore de natal cobriu quase todo)

Seguindo por um curto corredor, ao lado da escada, está o quarto dos pais de Elvis.

Quarto dos pais do Elvis em Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Quarto dos pais do Elvis

O andar superior não é aberto à visitação, sendo de acesso restrito da família. Logo, não vimos o quarto do Elvis.

escada de Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Escada para o segundo andar que não é aberto ao público

Em frente da sala de estar fica a sala de jantar, refinada e elegante, com um belo lustre sobre a mesa. #apaixonadaporlustres

Sala de Jantar de Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Sala de Jantar

Sala de Jantar Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Detalhes da Sala de Jantar

Seguimos, então, para a cozinha, que, segundo a narração do áudio, era um local sempre bem movimentado da casa.

Cozinha de Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Cozinha do Elvis

Descemos para o subsolo, onde se encontra uma sala de jogos, bem extravagante, cujas paredes são todas cobertas por tecido plissado; e uma sala de TV, espelhada e super moderna para a época.

Sala de jogos de Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Detalhe das paredes cobertas de tecido na sala de jogos

Sala de TV Graceland Casa Elvis Presley

Sala de TV

Quando retornamos para o andar superior, passamos pelo cômodo mais diferente e original de Graceland, a Jungle Room. Foi nessa sala, inclusive, que alguns dos sucessos do Elvis foram gravados.

Jungle Room Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Famosa Jungle Room de Graceland

Saímos para o quintal, passando pela garagem e por um escritório que ficava nos fundos da casa. Nesse escritório estão expostos alguns artigos e uma televisão, que transmite, continuamente, uma entrevista do cantor depois de ter voltado do Serviço Militar na Europa.

Quintal e garagem Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Quintal e garagem

Escritório Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Escritório

No quintal temos o estábulo e uma ampla área gramada onde ficam os cavalos. A informação é que a propriedade ainda possui cavalos, mas, quando fomos, nenhum estava na área externa (era inverno).

Quintal e estábulo Graceland Casa Elvis Presley

Estábulo no quintal da casa. Não tinha cavalinho no dia, mas estava frio.

Fundos de Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Fundos de Graceland

Seguimos para um anexo chamado Trophy Building, a Casa dos Troféus, que é como um Hall of Fame de Elvis Presley. A história de Elvis é contada nesse momento, o início de sua carreira, seu casamento, o nascimento de sua filha, os filmes de Hollywood, seus maiores sucessos… Encontramos roupas usadas por Elvis, o vestido de casamento da Priscilla Presley, troféus e prêmios recebidos pelo Rei do Rock e diversos outros artigos expostos, além de fotos e vídeos.

Exoosição de Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Casa dos Troféus Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Casa dos Troféus, um prédio anexo de Graceland

Em um corredor, o Hall of Gold, estão os vários discos de ouro/platina/diamante da carreira de Elvis Presley. Por incrível que pareça, passamos mais tempo nesse anexo do que dentro da mansão, pois fomos vendo tudo com mais calma, ouvindo as explicações do áudio do tablet e conhecendo mais sobre a história desse mito. Por exemplo, eu não sabia que Elvis tivera um irmão gêmeo que faleceu no parto.

Hall of Gold Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Hall of Gold

Ainda faltava um anexo para visitar, onde era a Racqueteball e agora é uma sala onde estão as roupas usadas por Elvis em seus shows. Pelas paredes, mais discos de ouro, pôsteres, prêmios diversos, e sei lá mais o que de tanto treco que havia naquelas paredes. Falta espaço para tanta coisa.

Racqueteball Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Antiga Racqueteball de Graceland

Roupas de Elvis em Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Exposição das roupas usadas em show

Graceland em Memphis Casa Elvis Presley

A área externa de Graceland conta ainda com uma piscina na parte lateral da casa.

Piscina de Graceland Memphis Casa Elvis Presley Lateral da casa com a piscina de Graceland Memphis

O último local a ser visitado, mas não menos importante, é o Jardim da Meditação (Meditation Garden). É onde está o túmulo de Elvis Presley, ao lado dos de seus pais e o de sua avó. Ali os fãs podem prestar suas homenagens, fazer orações e, claro, tirar fotos.

Meditation Garden Graceland Memphis Casa Elvis Presley

Meditation Garden

Túmulo do Elvis Presley Graceland Casa Elvis Presley Memphis

Túmulo do Elvis Presley em Graceland

Terminada a visita, pegamos o micro-ônibus de volta para o Centro de Visitantes. Quem tem combo de outros locais para visitar, segue para as demais atrações.

Durante toda a visita por Graceland, inclusive pelo interior da mansão, as fotografias são permitidas, desde que sem flash (por isso algumas fotos ficam bem escuras, ainda mais para quem é amador como nós 😉 ).

Sem dúvida é um lugar imperdível e que mexe com as emoções de muita gente. Não cheguei a ver Elvis cantar (não tenho idade para isso!! 🙂 ), mas foi ótimo conhecer mais sobre a história de um mito como ele. Até as crianças curtiram muito e, não me perguntem como conheciam, ficavam imitando os passos de dança do Elvis pelos corredores. Por aí que vemos como é ser alguém que ultrapassa gerações e deixa sua marca para eternidade. 

MAquete da casa de nascimento de Elvis em Graceland Memphis

Maquete da casa onde Elvis nasceu

Como falamos no início do post, nosso objetivo em Memphis era exclusivamente Graceland, de forma que depois que a visitamos, pegamos a estrada em direção a New Orleans. Podíamos ter dormido em Memphis, mas optamos por ganhar tempo e chegar mais cedo em NOLA no dia seguinte. De qualquer forma, Memphis oferece outros pontos interessantes que podem valer uma visita. Entre eles, podemos citar:

Sun Studios, em Downtown, que oferece um tour guiado para acompanhar um processo de gravação e onde é contada a história de algumas lendas da música que tiveram seu começo nesse estúdio, como Johnny Cash e o próprio Elvis Presley.

Peabody Hotel, que tem a tradicional caminhada dos patos pelo tapete vermelho até a fonte do hotel. Não sei muito qual a graça disso, mas lemos que atrai muitos turistas. Então, quem está em Memphis não custa, talvez, conferir.

Memphis Rock’n’ Soul Museum , o museu do Rock.

Beale Street, onde estão os bares e restaurantes de Memphis com apresentações musicais ao vivo.

___________________________________

Graceland

Localização do estacionamento: 3717 Elvis Presley Blvd., Memphis, TN 38116

Localização do Centro de Visitantes: 3765 Elvis Presley Blvd., Memphis, TN 38116.

O horário de funcionamento varia de acordo com os meses do ano, sendo importante verificar detalhes no site oficial.

Os ingressos para visitar apenas a mansão (Graceland Mansion Tour), que foi esse que fizemos e relatamos, custam 36U$. Crianças de 7 a 12 anos pagam 16U$, de 13 a 18, 32.40U$, e para menores de 6 anos é gratuito. Para maiores de 62 anos o valor é de 32.40U$.

Os outros combos existentes são os seguintes:

Graceland Platinum Tour, que inclui o museu do automóvel e mais três exibições (Elvis: Live from Vegas; Elvis’ Tupelo; Elvis’ Hawaii: Concerts, Movies and More! Exhibit). Custa 40U$ adultos.

Graceland Platinum Tour + Airplanes Tour, que acrescenta ao combo acima a visita aos dois aviões, Lisa Marie e Hound Dog II Jets. Custa 45U$ adultos.

Para mais informações sobre os tickets, link.

 

Nosso roteiro completo dessa roadtrip de norte a sul dos EUA


(Facebook   Twitter   Instagram)
 
 
 

______________________________________________

Posts relacionados:

The Children’s Museum of Indianapolis, o maior museu da criança do mundo

Indianapolis Motor Speedway e Hall of Fame Museum

Passeando por Indianápolis? Dicas de onde ir

Centennial Park e The Parthenon

Country Music Hall of Fame and Museum

Categorias: EUA, Memphis/Graceland, Viajando | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

New England no Outono – de Portland (Maine) a Salem (Massachusetts)

Depois de percorrer a Kancamagus Highway, na White Mountain National Forest, estávamos deslumbrados com a beleza do outono em New England e com as cores que coloriam as árvores da floresta. Mas a viagem ainda estava longe de chegar ao fim, e ainda havia muito mais para nos encantar no litoral da Nova Inglaterra, enquanto nossa road trip seguia de Portland, no estado do Maine, até Salem, e nos aproximava do nosso destino final Boston, em Massachusetts.

Portland, Maine

Localizada na península da baía de Casco, Portland detém o maior porto de New England, sendo, inclusive, ponto de parada para vários cruzeiros. O Old Port é o distrito histórico de Portland, conhecido por suas ruas de pavimento, os vários píeres de pescaria, os inúmeros restaurantes de frutos do mar e os prédios de tijolinhos vermelhos. É uma delícia caminhar pelo porto antigo.

Portland, Maine

O destaque da culinária local são os frutos do mar, especialmente as ostras e as lagostas. Um prato muito tradicional é o Clam Chowder, e fazemos um destaque para uma enorme recomendação aqui: NÃO DEIXE DE EXPERIMENTAR!!! Mesmo quem não curte muito marisco (como eu), não tem como não achar este creme de mariscos delicioso. Existem variedades diferentes de Clam Chowder, sendo encontrados em várias cidades de New England. Nós comemos em Portland e em Boston, e o de Portland venceu de 1000 pontos.

Portland, Maine

Portland, Maine

Clam Chowder

Por falar em comer em Portland, um restaurante que conhecemos no Old Port e mais que recomendamos (foi o melhor achado gastronômico de toda nossa viagem por New England e Canadá) foi o DiMillo’s on the Water. O restaurante é um barco ancorado num píer de Old Port e o ambiente por si só já é sensacional. As crianças amaram jantar dentro de um barco.

Portland, Maine

Apesar do requinte, os preços não são muito salgados como se possa imaginar inicialmente. Claro, não foi o restaurante mais barato da viagem, mas também está longe de ser algo absurdo, e o que se come, onde se come, e, principalmente, a qualidade do que se come, compensa qualquer valor. O New England Clam Chowder do DiMillos é divino, e o Seafood Alfredo (fettucini ao molho alfredo com camarões, lagosta e scallop) é de comer ajoelhado. A porção é super bem servida, de forma que eu e o marido dividimos e saímos muito satisfeitos. Super indicado!

Portland, Maine Portland, Maine

Depois de caminhar parte da manhã pelo Old Port, buscamos o carro no Hampton Inn em que ficamos hospedados, e voltamos para estrada. Nosso roteiro neste dia ainda havia vários pontos de parada…

Portland, Maine Portland, Maine

O estado do Maine é conhecido por seus inúmeros faróis. São mais de 60 espalhados por sua costa rochosa, sendo cerca de uns 20 acessíveis de carro. Se alguém mais aí tem uma paixão por faróis, aqui é o lugar. Não dava para conhecer todos nesta viagem, ou os meus filhos iam morrer de tédio, como eles diziam, mas escolhemos ao menos uns 3 para apreciar (e até as crianças tiveram que dar o braço a torcer porque também acabaram curtindo o passeio, a vista e o vento gelado). Nós adoramos quando conhecemos o farol de St Augustine, mas os do Maine tinham uma estrutura bem diferente, mais românticas, sei lá, como mostram as fotos abaixo.

Portland Head Light, Portland, Maine Portland, Maine

Ao sul de Portland, no Bug Light Park, encontra-se o Portland Breakwater Light, um farol construído em 1875 ao final dos 600 metros do quebra mar que protege o porto de Portland contra tempestades vindas do oceano. O arquiteto Thomas Walter se inspirou no Choragic Monument of Lysicrates de Atenas, Grécia, para criar um estilo único de farol que distingue o Portland Breakwater Light, também conhecido como Bug Light, de qualquer outro.

Portland Breakwater Light, Bug Light, Portland, Maine Portland Breakwater Light, Bug Light, Portland, Maine

É possível estacionar o carro no Bug Light Park e caminhar pelo calçadão à beira-mar e pelo quebra mar até chegar ao farol.

Portland Breakwater Light, Bug Light, Portland, Maine Portland Breakwater Light, Bug Light, Portland, Maine

Seguindo para Cape Elizabeth, paramos no Portland Head Light, localizado no Fort Williams Park. O parque fica aberto o ano todo durante todo o dia e não há taxa para entrar.

Portland Head Light, Portland, Maine

Considerado o farol mais antigo do estado do Maine, o Portland Head Light teve sua construção concluída em 1791. As instalações do farol também permitem a entrada gratuita. Apenas para visitar o museu (aberto desde o Memorial Day, última segunda-feira de maio, até o final de outubro, das 10h às 16h) cobra-se um ingresso de 2$ para adultos e 1$ para crianças de 6 a 18 anos.

Portland, Maine Portland, Maine Portland, Maine

No Cape Neddick,  em York, uma cidade ao sul do estado do Maine, está o Nubble Light, um farol localizado numa pequena ilha a alguns metros da costa. O Nubble teve sua construção concluída em 1879.

Farol, Nubble Light, Maine Nubble Light, Maine

O caminho para chegar ao Sohier Park, onde estacionamos para apreciar o Nubble Light, passa por uma área bem residencial e pacata.

Portland, Maine Portland, Maine

Optamos por continuar a viagem pela costa, seguindo um tempo pela Long Beach Ave, a A1, que beira a praia. Só depois voltamos para I95, atravessando uma pontinha do estado de New Hampshire antes de entrar em Massachusetts.

Farol, Nubble Light, Maine Portland, Maine

Pouco antes de chegarmos a Salem, fizemos uma parada para conhecer a Connors Farm, em Denver. Foi uma experiência bem legal para as crianças, apesar da fazenda já estar em fim de temporada e muitas coisas estarem fechadas ou já bem deterioradas, como era o caso do labirinto de milho.

Connors Farm, Massachusetts Connors Farm, Massachusetts Connors Farm, Massachusetts

De qualquer forma, valeu a brincadeira e fica a dica para quem está indo no período de maio a novembro. E como estávamos perto do Halloween, os meninos adoraram conhecer uma plantação de abóboras. Foi bem divertido!

Connors Farm, Massachusetts Connors Farm, Massachusetts Connors Farm, Massachusetts Connors Farm, Massachusetts Connors Farm, Massachusetts

No início da tarde estávamos em Salem, mas, infelizmente, a chuva chegou junto com a gente. E atrapalhou! Não conseguimos cumprir nosso planejamento na cidade e as crianças ficaram bem arrasadas porque não tiveram a oportunidade de vestirem suas fantasias aterrorizantes e participarem do desfile que estava ocorrendo todas as tardes durante o mês de outubro, período em que ocorre o Haunted Happenings, repleto de programações para o Halloween.

Salem, Massachusetts Salem, Massachusetts

Para explorar Salem, o ideal é deixar o carro estacionado em um dos vários estacionamentos da cidade, mas alguns só aceitam dinheiro.

Nós começamos nosso passeio pelo Visitor Center, na 2 New Liberty Street, onde pegamos um mapa para nos orientarmos pelas ruas, apesar de que uma faixa vermelha no chão ajuda a guiar os visitantes pelos pontos turísticos e atrações do centro histórico.

Salem, Massachusetts Salem, Massachusetts

Salem é repleta de museus, mas nós só visitamos mesmo o Witch History Museum, no qual, através de cenários com bonecos, a história da histeria das bruxas, de 1692, é contada aos visitantes. E olha, sem querer ser chata, mas o negócio é bem fraquinho, viu?! Bom, ao menos os meninos se divertiram (um pouquinho). Como observação, os cenários são num andar subterrâneo e o local é meio escuro e apertado. Junta-se a isso uns bonecos feios e um ar meio macabro… e crianças pequenas podem ficar assustadas.

Salem, Massachusetts Salem, Massachusetts Salem, Massachusetts

Já haviam nos alertado que as atrações de Salem eram “pega-turista” e, depois do Witch History Museum, meio que confirmamos e não nos interessamos em visitar nenhum outro dos inúmeros museus da cidade. Como informação, seguem alguns links:

Nós queríamos mesmo era caminhar pelas ruas, conhecer a cidade, ver as decorações de bruxas por todos os lados, caminhar pela Essex Street, ver o Witch Trial Memorial e o Old Burying Point Cemetery, aproveitar o clima de Halloween, mas a chuva não deu trégua e tivemos que abandonar os planos e seguir para o hotel.

Salem, Massachusetts

Assim como ocorreu em  Washington, e em Savannah, o tempo nos atrapalhou muito e deixou aquele gosto amargo de que não conhecemos nada da cidade, de forma que teremos que voltar em breve. 

Salem, Massachusetts

 

(Facebook   Twitter   Instagram)
 
 
 

______________________________________________

Posts relacionados:

– Ottawa – Bate e volta de Montreal

– Canadian Museum of History e Children’s Museum

Montreal com crianças – dicas de onde ir

– Québec – o que conhecer

– Travel Mobile – Chip de celular para viagens pelos EUA

Categorias: EUA, New England, Viajando | Tags: , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: