Uncategorized

Houston – Houston Museum of Natural Science

Começamos nosso passeio em Houston exatamente por pelo Museum of Natural Science (HMNS), e já deu para impressionar.

Fazendo parte do chamado Museum District, esse museu foi aberto em 1909 e conta com quatro andares que garantem horas de entretenimento. Porém, um fato negativo chamou atenção: muitas atrações eram pagas à parte, fora da admissão geral. Ou seja, o valor que se paga para entrar no museu dá direito apenas às exibições permanentes, enquanto as temporárias, o Planetarium, o Butterfly Center e o cinema 3D no Giant Screen Theatre possuem outros ingressos  (cada um). E olha que a entrada do museu não é barata (20U$)… e ainda ter que pagar por tantas outras atrações… Acabamos fazendo apenas o básico, que estava incluído no FastPASS, até porque não estávamos com tanto tempo livre e queríamos conhecer outras coisas na cidade (e, de quebra, resolvemos economizar um pouco). Independente, o passeio compensa, mesmo que apenas as exibições permanentes.

Planetário Houston Museum of Natural Science

Planetário

O que achamos melhor desse museu foi o Morian Hall of Paleontology. Localizado já no primeiro andar, essa ampla galeria oferece uma viagem através de mais de 3 milhões de anos. O ambiente por si só já é lindo, com uma iluminação a meia luz e vários fósseis por todos os lados.

Hall of Paleontology Houston Museum of Natural Science

É bem interessante a forma como a exposição coloca as montagens dos fósseis, ao lado de painéis com a imagem reproduzida daquilo que estamos vendo nos fósseis (acho que com as fotos abaixo vão dar para entender melhor). Isso dá uma visão diferente, especialmente para as crianças. Foi a diversão dos meninos, ficar comparando os fósseis com os painéis.

Hall of Paleontology Houston Museum of Natural Science Hall of Paleontology Houston Museum of Natural Science

No Hall of Paleontology encontramos um Tricerátopo mumificado chamado Lane e outros três Tiranossauros, um deles com as mãos e pés mais bem preservados de todos fósseis já encontrados dessa espécie.

Houston Museum of Natural Science

Pode ter certeza que só essa galeria já vai tomar bastante do tempo da visita e mesmo que for para ver apenas ela, a ida ao Museum of Natural Science já valeu. De todos os museus que já fomos, esse foi o melhor no quesito fósseis.

Houston Museum of Natural Science Houston Museum of Natural Science

O Farrish Hall of Texas Wildlife, com cenários que trazem a diversidade de ecossistemas do estado do Texas, e o Frensley Hall of African Wildlife, com a vida selvagem africana, também merecem destaque e chamaram muito a atenção dos meninos. Os animais são perfeitos e a ambientação nos transporta.

Houston Museum of Natural Science Houston Museum of Natural Science Houston Museum of Natural Science Houston Museum of Natural Science

Além dessas, outras exibições permanentes do museu são:

Cullen Hall of Gems and Minerals e o Laster and Sue Smith Gem Vault, com lindas joias, mas num ambiente muito escuro que nem dava direito para tirar fotos.

Houston Museum of Natural Science Houston Museum of Natural Science

John P. Mcgovern Hall of the Americas, com as tradições culturais dos povos indígenas desde o Alasca até o Peru.

Houston Museum of Natural Science

Hall of Ancient Egypt, com artefatos egípcios, múmias e sarcófagos.

Houston Museum of Natural Science Houston Museum of Natural Science Houston Museum of Natural Science

Wiess Energy Hall, sobre o processo de desenvolvimento da energia. Não prendeu muito a nossa atenção.

Welch Chemistry Hall, com algumas exibições interativas sobre química, mas que achamos meio bobos.

Houston Museum of Natural Science Houston Museum of Natural Science

Earth Forum, com estações de computadores e globos. Cada estação se foca numa área diferente como Biosfera, Atmosfera, Energia, População, etc. Quase não ficamos nessa galeria e vimos que está precisando de reforma, pois algumas estações estão com itens quebrados e os bancos com estofado rasgado.

Houston Museum of Natural Science Houston Museum of Natural Science

Strake Hall of Malacology, traz exposição de moluscos e várias conchas diferentes.

Houston Museum of Natural Science

Há estacionamento em prédio anexo que custa 10U$ para quem está visitando o museu. É preciso guardar o ticket do museu e apresentar na saída na hora do pagamento, pois o valor para quem não visitou o HMNS é de 20U$.

Localização: 5800 Caroline Street, Houston, TX 77030, no Hermann Park.

Horário de funcionamento: diariamente das 9h às 17h.

Ingressos para as exibições permanentes: adultos 20U$; crianças  (3 a 11 anos) 15U$; menores de 2 anos, gratuito.

Nas quintas-feiras das 14h às 17h, a entrada no museu é gratuita (para exibições permanentes).

Para informações sobre os valores das demais atrações pagas, site oficial.


(Facebook   Twitter   Instagram)
 
 
 

______________________________________________

Posts relacionados:

Houston – Onde ficar

Passeando por Indianápolis? Dicas de onde ir

Memphis – conhecendo Graceland, a casa do Elvis Presley

Nashville – o que conhecer na Music City

New Orleans – dicas de passeios (com crianças)

Categorias: EUA, Houston, Uncategorized, Viajando | Tags: , , , , , | Deixe um comentário

Cadê as resenhas do Viajando com Palavras? Esclarecimento…

Licença por Creative Commons CC0 Public Domain (pixapay)

Licença por Creative Commons CC0 Public Domain  (pixapay)

 

Em resposta a alguns emails e mensagens recebidas, senti a necessidade de explicar o rumo do Viajando com Palavras.

Quem nos acompanha desde o início, sabe que o blog surgiu como um passatempo, quando me propus a fazer um cantinho especial das três coisas que gostava de fazer como lazer: ler viajar escrever. No primeiro ano, foi mais fácil seguir essa meta, estava numa cidade que me permitia ter mais tempo livre e num trabalho que não exigia grande demanda. Posteriormente, a vida voltou a agitação normal e as horas passaram a ser um borrão, ao mesmo tempo em que o blog conquistou um espaço mais sério nas minhas responsabilidades diárias. Não queria abandoná-lo, não queria fazê-lo de qualquer jeito, não queria que ele virasse um estorvo. Continuei a me dedicar da melhor forma que podia, totalmente como hobby.

Mas é uma coisa engraçada isso de blogar, é meio viciante. Depois que começa e pega o gosto, fica difícil parar. O objetivo não mudou, continua sendo trazer nossas experiências de viagens em família que possam ajudar outras famílias nas suas próprias viagens. Continua sendo uma forma de diário das nossas aventuras, inclusive como meio de recordação para nossos filhos, a fim de completar as lacunas de suas memórias, relembrando todos os momentos maravilhosos que vivemos juntos. A parte “VIAJANDO” do blog segue firme e forte.

Também continua sendo uma forma de praticar a escrita, mesmo que seja nos relatos das viagens, já que a parte “ESCREVENDO” foi retirada do Menu faz um bom tempo. Por quê? Afinal também era um dos objetivos iniciais do blog, certo? Sim, mas apenas porque, no princípio, achei que me sentiria bem expondo as minhas “viagens na batatinha” (como costumo chamar), deixando-as em aberto para o mundo ver. Só que não foi bem assim. É complicado! Não sou escritora, nem jornalista, não estudei Letras e não tenho qualquer conhecimento ou estudo em escrita; sou de uma área completamente diferente e apenas uma leiga que gosta de brincar com as palavras sobre o papel. Quando era aquela coisa de só mamãe e papai lendo o blog, tranquilo. Porém tudo cresceu muito além do que eu podia imaginar e/ou esperar. Podemos ser um blog pequeno, mas se eu for pensar na quantidade de leitores do Viajando com Palavras, em vez de estar aqui escrevendo, estaria enfiando a cara debaixo do travesseiro de tanta vergonha. Então melhor continuar pensando que só mamãe lê e fica tudo certo. Bom, “tudo certo” ao menos no que diz respeito às viagens. Porque quanto às viagens na batatinha… ah, essas aí acabavam gerando muita ansiedade apenas por saber que outras pessoas as leriam e isso não estava me fazendo bem, o que não era o objetivo do blog. Ele não deveria se tornar algo negativo para mim. E foi esse o motivo de ter parado a publicação dos textos.

Entretanto, não gostaria de ter deixado de lado também a parte do LENDO, pois desejo que o Viajando com Palavras continue a ser um lugar de estímulo à leitura através das resenhas. Infelizmente, é o que está em desfalque, sendo o motivo pelo qual realmente escrevo esse esclarecimento. Dentre todas as pessoas que nos acompanham, uma boa parcela nos visita atrás de sugestões de leitura, em busca de resenhas. A essas pessoas que me dirijo agora e peço desculpa, pois não tenho conseguido dar andamento a essa parte do blog. Os motivos são vários, como o fluxo de leituras que é intensa e fica difícil acompanhar. Não tenho interesse em escrever meia dúzia de bobagens sobre um livro e postar como resenha. Por isso, o blog acabou se concentrando mais nos relatos de viagem. Isso significa que passou a ser apenas um blog de viagem? Não! As resenhas continuam no Viajando com Palavras e o espaço para postá-las se mantém em aberto. Embora sempre tenham me dito que um blog deve ter um nicho específico, eu não ligo. Fiz o Viajando com Palavras para compartilhar aquilo que gostava de fazer. Portanto, sempre que conseguir, terei o espaço aberto para postar resenhas. E se, de repente, aparecer alguém que goste de ler e escrever e queira trazer mais resenhas e dicas de leitura para nós, será bem-vindo. Alguns amigos já estão cansados de me ouvir cantando-os descaradamente para isso (desculpem, amigos 😉 ), mas sou consciente de que é complicado dispor de tempo, ainda mais sem ser uma coisa mais profissional e, portanto, sem retorno. Sei bem as horas que me ocupam para preparar cada post com todo carinho e respeito com quem vai ler, sejam duas pessoas (oi, pai e mãe), sejam milhares de desconhecidos.

Vamos ver o que o destino nos reserva, se as resenhas conseguem voltar a aparecer, se surge algum leitor voraz de livros variados para compartilhar conosco suas leituras através de resenhas, se o blog realmente passa a ser apenas de viagens (ainda bem que o nome do blog serve para os dois lados!), ou mesmo se ele terá vida além desse ano (pois é!). Realmente não sei o dia de amanhã.

Para concluir, agradeço a todos pela compreensão, carinho e companhia aqui no Viajando com Palavras.

Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: