Como foi viajar pelo Peru com crianças?

A resposta…

Quando resolvemos que viajaríamos pelo Peru com as crianças (de 6 anos), fiquei pensando como poderia fazer para envolvê-los nesse tipo de viagem que não teria parques temáticos, nem museus interativos. Começamos plantando a sementinha na cabeça dos meninos de que seria uma viagem diferente, já para saberem o que esperar. Eles logo compraram a ideia da aventura e incorporaram o espírito aventureiro que havia em cada um. Aproveitando os desenhos animados assistidos por eles, resolvemos fazer um colete, bem ao estilo Diego Go. Também usamos muitos mapas, como na Dora Aventureira, e explicamos que iríamos em busca da cidade perdida dos Incas.

A Dora Aventureira serviu de inspiração para os meus aventureiros

e na Dora Aventureira

A inspiração no Diego Go

A inspiração no Diego Go…

 

Material dos aventureiros mirins, Peru com crianças

Material dos aventureiros mirins

Os mapas foram essenciais, Peru com crianças

Os mapas foram essenciais

Começamos a falar muito dos Incas ainda em casa meses antes da viagem, mostrando fotos e imagens e dando uma explicação geral sobre essa civilização. Preparamos um estojo com lápis e borracha, além de lápis de cor e giz de cera, e compramos uma pequena prancheta e um bloco de papel. A ideia era que eles fossem anotando o que interessasse, já que estão começando a escrever, e também pudessem desenhar as paisagens por onde fossem passando. No início, os desenhos ocorreram; no fim, eles já não ligaram tanto. Mas estavam totalmente envolvidos na viagem e curtiram tudo.

Peru com crianças

Desenhando as paisagens

Peru com crianças

Ou desenhando a foto tirada por ele mesmo

Peru com crianças

Desenho da foto

Outra artimanha foi deixar uma máquina fotográfica pequena com eles. Assim, iam se revezando tirando as fotos dos ângulos de suas visões infantis. Foi diversão na certa!

Peru com crianças

A concentração para tirar uma foto…

Peru com crianças

Fotógrafo!

O Peru não é o país mais “Kids Friendly” que há (embora Lima seja bem atraente para as crianças). A começar pelos hotéis, já que, durante as reservas, percebemos que não eram muitos os que dispunham de quartos familiares.

Peru com criança

Hotel com quarto quádruplo

Também sentimos falta dos menus infantis nos restaurantes. Sendo a comida peruana um tanto diferente, principalmente pelos peruanos terem um gosto por sabores mais apimentados, as crianças podem estranhar. Acabávamos recorrendo ao básico, tipo frango com batata fritas. É fácil encontrar diversos pratos com frango. O tradicional Llomo Saltado também era uma boa opção, já que se trata de carne picada. Outras vezes, íamos na boa e velha pizza, encontrada em praticamente todos os restaurantes que passamos. Mesmo nos restaurantes de comidas típicas, o cardápio é bem variado, e não aconteceu de ficarmos sem encontrar uma opção que agradasse aos pequenos.

Peru com crianças

Nas cidades que passamos (não vou considerar Lima), não havia nada direcionado aos pequenos viajantes, pelo menos não como encontramos em outros lugares, como pracinhas com playgrounds, por exemplo. Os museus eram todos tradicionais, nada interativo ou com uma abordagem mais infantil. Porém, nada disso é impeditivo para viajar com crianças pelo Peru, um país rico em cultura, que tem muito a oferecer aos viajantes de todas as idades.

Peru com crianças

Curtiram explorar, conhecer e aprender

Viajamos de ônibus e de trem pelo Peru com as crianças e as duas experiências foram maravilhosas. De ônibus, fizemos o percurso de Arequipa para Puno, pela empresa Cruz del Sur. De forma geral, foi seguro e confortável, e havia muito entretenimento para as crianças, já que fomos de VIP (tipo leito), com telas individuais e muitos filmes, desenhos e joguinhos. As cinco horas e meia de viagem passaram super rápido e os meninos não ficaram entediados.

Jogando no ônibus Peru com crianças

Jogando no ônibus

De trem, fizemos de Puno para Cusco, uma viagem mais longa, de 1oh de duração. A Perurail entrega um caderno de atividades com lápis de cor para cada criança. Em todo o trem, só havia três crianças fazendo essa viagem, os meus meninos e uma menina francesa um pouco mais nova que o Matheus e o Gabriel. Durante todas essas horas, as formas que usamos para entreter os meninos foram as mais variadas, jogos no ipad, jogo Uno, desenho, passeio pelo trem, etc… Eles gostavam muito do último vagão onde ficavam vendo o trilho. Apesar de longa, a viagem foi tranquila e as crianças curtiram cada minuto.

Peru com crianças

Desenhando

Peru com crianças

Jogando UNO

Peru com crianças

O Tablet é sempre uma boa ajuda

Uma grande preocupação que eu tinha, e que com certeza é a de muitos pais, diz respeito à altitude e a seus efeitos sobre as crianças. Sem dúvida que a altitude é um fator a ser considerado, mas apenas confirmei o que já haviam me falado: as crianças são as que melhores se adaptam ao ar rarefeito. Claro que cada pessoa vai reagir de uma forma. Eu estava com muito medo de passar mal, mas não tive absolutamente nada além do cansaço fácil e da falta de ar inicial. Já o marido sentiu dores de cabeça, apesar de nada muito forte como já ouvimos relatos sobre o Mal da Altitude (Sorojchi). E as crianças? NADA. Absolutamente NADA. Tinham o mesmo pique, a mesma energia e era até difícil fazer com que ficassem mais quietos, já que tínhamos medo que fizessem muito esforço e tivessem efeitos mais fortes. Para dizer que não tivemos intercorrências com os meninos, ocorreram enjoos e vômitos, mas nada relacionado à altitude, e sim ao balanço do barco no passeio pelo Lago Titicaca e no trem na viagem de Puno para Cusco. Nada que um antiemético e uma muda de roupa na mochila não resolvessem.

Claro que tomamos todos os cuidados orientados para quem se expões às altas altitudes. Tomamos muito chá de coca e fizemos os meninos tomarem também. No início, eles não se animaram, até porque o cheiro do chá não é dos melhores. Porém, o sabor é bom e, se conseguir que a criança ao menos experimente, já é um bom começo. No caso dos pequenos se recusarem a beber o chá de coca, existe a opção das balas de coca, vendidas em todo lugar (restaurantes, bancas, lojas, mercadinhos…). É super fácil de encontrar e tem um gosto bom. O Gabriel preferia tomar o chá a chupar a bala, já o Matheus preferia a bala. Então é bom apresentar os dois para a criança. Para quem não gostar da bala de coca, também tem a opção de balas de limão, que produzem o mesmo efeito e acabam sendo mais aceitas pelas crianças. Também busquei ter na bolsa um analgésico infantil caso a dor de cabeça aparecesse. Mas, como já disse, a adaptação deles foi surpreendente, muito melhor que a nossa.

Peru com criança

Balas de coca

Peru com criança

Chá de coca

Quanto às caminhadas e às escadas, sem dúvida que é cansativo, mas acreditem, nós, adultos, cansamos primeiro. Não deixamos de fazer nenhum passeio (exceto trilhas) por estarmos com criança. A única coisa que acabei optando por não fazer no momento foi conhecer o Vale do Colca, mas acho que até isso os meninos iriam tranquilamente. Em Cusco, que é mais cansativo pelos sítios arqueológicos visitados tanto no City Tour quanto no Vale Sagrado, repleto de escadas, subidas e descidas, eles mostraram a energia inerente das crianças. Fiquei impressionada de como eles curtiram, se envolveram e se interessaram por conhecer tudo que tinham direito. Nem queriam andar comigo, pois diziam que eu ia muito devagar, preferindo ir com pai, e me deixavam comendo poeira atrás. Estávamos cientes de que poderíamos ter que abdicar de alguma coisa caso eles não aguentassem, mas quando, por exemplo, os adultos do grupo do City Tour não queriam sair sequer do ônibus para visitar algo já no fim do dia, o Matheus e o Gabriel eram os primeiros a levantar querendo descer e desbravar tudo. Em Machu Picchu não foi diferente.

Deixando a mãe para trás

Deixando a mãe para trás

Algo muito importante para quem vai com criança é estar atento aos pequenos, mantendo-os sempre de mãos dadas. Quanto menor a criança, maior a atenção. Nas ruínas, as escadas são de pedras, o piso é desnivelado, não há corrimão e, em vários pontos, há precipícios sem qualquer proteção. Não é brincadeira! Vale a pena levar criança, sem dúvida. Os pequenos podem sim se divertir e aprender muito, realmente curtir. MAS não é lugar para brincar, correr, pular. Então, atenção redobrada sempre! E pode-se envolvê-los das outras formas já mencionadas, deixá-los tirar fotografias, dar um mapa para acompanharem, fazer pausas regulares para que se distraiam em lugares mais seguros… enfim, tornar essa viagem atraente e interessante para os pequenos também. Afinal, não existe destino específico para uma idade. Uma boa viagem quem fazemos somos nós!!!

Machu Picchu com criança

Sempre de mãos dadas

Concluindo, não podemos subestimar as crianças, achando que eles não são capazes de determinada coisa antes de dar a chance deles mostrarem o que são ou não capazes. Com certeza uma aventura pelo Peru com crianças é uma experiência enriquecedora para toda a família. 🙂

E para quem enxerga mais os empecilhos, aí vai uma inspiração dessa família que não deixou a cadeira de rodas ser um impeditivo para essa experiência única que é sentir a energia mágica de Machu Picchu, um local com praticamente zero acessibilidade:

Peru com criança

Inspiração para enfrentarmos as dificuldades

 
 
(Facebook      Twitter      Instagram)
 
________________________________________________________

Posts relacionados:

Viajando com crianças (parte 1): vale a pena?

Viajando com crianças (parte 2): envolvendo os pequenos

Viajando com crianças (parte 3): durante o voo

Viajando com crianças (parte 4): segurança

Viajando com crianças (parte 5): outras informações

Anúncios
Categorias: Peru, Viajando | Tags: , , , , , , , | 2 Comentários

Navegação de Posts

2 opiniões sobre “Como foi viajar pelo Peru com crianças?

  1. daisydalberto

    Thyl, me diz uma coisa.. eu estou aqui lendo seus relatos sobre a visita ao Peru e fiquei com duas dúvidas. A primeira, e mais importante… eu pensei em ir com meu filho de 3 anos de idade para lá, você acha que é uma boa opção? Será que vai ser tedioso demais para ele?
    E a segunda, quanto tempo vocês ficaram em viagem pelo Peru?

    Obrigada pelos relatos e dicas.

    • Oi Daisy, tudo bem?
      Olha, os meus meninos tinham 6 anos nessa viagem e curtiram bastante. Conheço quem levou o filho de 4, já menores que isso ninguém que eu tenha conhecimento mais próximo. Mas durante nossa viagem nós vimos algumas crianças pequenas e até bebês. Agora, assim, não tem graaaandes entretenimentos para os pequenos. Não vou mentir. Tem que fazer um preparo antes com a criança, usar artimanhas para envolvê-la na viagem (nós fizemos algumas coisas e contamos no post). Se vai ser tedioso ou não, é difícil dizer pq depende da criança e do que ela está acostumada em viagens. Se gostar de aventuras, pode ser bem legal, sim.
      A viagem para Cusco e Machu Picchu, que incluiu Arequipa e Puno, foram 9 dias. Mas você deve ter visto que existem muitos outros posts sobre o Peru no blog, incluindo outras viagens pelo país, mas que ocorreram em momentos diferentes. Isso porque nós ficamos um período de quatro meses morando em Lima.
      Abç

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: