Resenha – UM PEDIDO ÀS ESTRELAS (Priscille Sibley)

Resenha Um Pedido às Estrelas Priscille Sibley

Um Pedido às Estrelas – Priscille Sibley

Título: Um Pedido às Estrelas
Título Original: The Promise of Stardust
Autor: Priscille Sibley
Editora: Benvirá
ISBN: 9788582400586
Categoria: Literatura Estrangeira/ Romance, Drama
Ano de Lançamento: 2013
Páginas: 320

Sinopse: Após um grave acidente, Elle sofre um trauma cerebral irreversível, mas em seu ventre cresce uma vida. Apesar da fragilidade da situação, há uma possibilidade de ela dar à luz o tão filho aguardado. No entanto, com a mesma força com que desejou um filho, Elle se opunha a manter uma vida artificialmente. Se ela pudesse decidir, o que falaria mais alto? Escrito com sensibilidade e compaixão, Um pedido às estrelas é uma emocionante história que levanta profundas reflexões sobre vida e morte, fé e ciência, e ilumina o poder do amor para ferir…e curar.

 

“Não é trágico que algumas vezes precisemos padecer para entender o que nos é precioso?”

 

Um Pedido às Estrelas é um livro sensível e inspirador. Pode não ser o estilo de muitas pessoas que não gostam de livros mais dramáticos, mas eu adoro essas histórias emocionantes. Não me importo que façam chorar, ou até sofrer, pois, ao final, o que acrescentam de reflexão já compensa. E Um Pedido às Estrelas nos faz pensar a cada página.
O livro conta a história do casal Matt e Elle. O primeiro capítulo já deixa explícito o tom dado ao livro e o leitor pode perceber nas primeiras páginas se é seu estilo de leitura ou não. Exatamente por isso, quero deixar bem claro uma coisa, o enredo não segue inteiro na mesma carga dramática do início. Começa forte, depois o ritmo desacelera, até voltar à finalização mais dramática, porém singela. É importante ter em mente que o foco do livro não é o estado da personagem Elle, que fica totalmente elucidado para o leitor desde o princípio, e sim a questão bioética que essa situação envolve.
O narrador é o Matt, um médico neurocientista e o marido da Elle. A partir dele, vamos conhecendo mais da história desse casal, dos seus passados, da paixão de infância, dos desencontros da vida, das carreiras profissionais e do grande amor que os une. Tudo isso vai sendo narrado em flashbacks intercalados com capítulos no tempo presente. É bem legal a forma como acabamos conhecendo intimamente Elle (que é protagonista, mas já começa o livro acidentada) apenas através das narrativas do passado de Matt. Os outros personagens da história são bem secundários e mais relacionados ao ciclo familiar do casal. Quem ganha maior destaque é exatamente a mãe de Matt, que vai disputar o futuro de Elle contra o próprio filho no tribunal. É daí que vem todo o questionamento do livro, e confesso que, em diversas vezes, eu não sabia o que pensar. Os dois lados da história foram muito bem apresentados, fazendo compreender as opiniões e decisões de ambas partes envolvidas e levando a questionar qual seria a real vontade da Elle. É difícil não achar que a escolha dela seria a mesma sua, e cada leitor vai levar para um lado, acabando por tomar partido do Matt ou de sua mãe. Mas a grande questão é se colocar no lugar de Elle e compreender qual seria a decisão dela a partir do que vai sendo apresentado pela narrativa do marido e pelos seus confrontos com a mãe.
O final é incerto durante toda a leitura. Não sabia o rumo que a história iria tomar, já que ambas as partes em disputa pareciam ter razão em suas considerações em diferentes momentos. A conclusão da trama foi boa, atendendo às expectativas. Como enfermeira, a autora soube encontrar a sensibilidade para passar as emoções vividas pelos personagens, além de dosar a questão clínica com a questão humana envolvida na trama. Ela usa alguns termos técnicos, mas não acredito ser nada que venha atrapalhar a compreensão geral.
A questão judicial pode ficar um pouco confusa para os leitores não americanos, já que é baseado nas leis deles. Mas, sendo uma obra de ficção, não é difícil nos transportar para aquela realidade. Demonstra que a autora fez um bom trabalho de pesquisa e nos faz questionar como seria um caso desse no Brasil.
Um Pedido às Estrelas não é um desses livros deprimentes que acabam te deixando para baixo depois da leitura. É um livro emocionante e comovente. Com uma história delicada e polêmica, envolvendo manutenção artificial de vida, aborto, direitos da mulher, direito à vida, entre outras questões éticas relevantes, Um Pedido às Estrelas é um livro que traz reflexões não apenas sobre a vida, mas sobre a morte, o amor e a esperança, porém cada um vai interpretar da acordo com suas próprias crenças e pensamentos morais. Recomendado!

 
 
 
(Facebook   Twitter   Instagram)
 
 

_________________________________________________

Posts relacionados:

Resenha – DANÇANDO SOBRE CACOS DE VIDRO (Ka Hancock)

Resenha – COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ (Jojo Moyes)

Resenha – A CULPA É DAS ESTRELAS (John Green)

Outras Resenhas

Anúncios
Categorias: Lendo | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: