Macapá – o que conhecer no extremo norte do Brasil

Nunca pensei que conheceria o extremo norte do país se não tivesse vindo morar em Macapá. Mas que tal conhecer a única capital brasileira que é cortada pela linha do equador e banhada pelo rio Amazonas? Bom, não sei se alguém viria para Macapá apenas para fazer turismo, até porque não vejo investimentos na área turística da região, mas se alguém, como eu, acabou caindo de paraquedas pelas redondezas, ou está recebendo um parente que veio fazer uma visita rápida, é bom saber alguns pontos para visitar na cidade.

– Fortaleza São José de Macapá

Teve sua construção iniciada em 1764 e levou 18 anos para ser concluída. Foi tombada como Patrimônio Histórico Nacional em 1950. Está localizada no centro da cidade, às margens do rio Amazonas. É aberto à visitação gratuita de terça a domingo das 9 às 18h. Pode acompanhar um guia turístico que explica sobre a história do Forte. Na área externa, encontra-se o chamado Parque do Forte, área usada para caminhadas, piqueniques, ou para apreciar a vista do rio nos decks panorâmicos. Tem, também, um parquinho para crianças onde o Matheus e o Gabriel adoram brincar.

Interior da Fortaleza de São José Macapá

Interior da Fortaleza

Fortaleza São José de Macapá ao fundo

Fortaleza São José de Macapá ao fundo

Vista do rio Amazonas Macapá

Vista do rio Amazonas

Parque do Forte Macapá

Parque do Forte

– Marco Zero do Equador

Um monumento que marca a linha imaginária que divide a terra em dois hemisférios. É uma experiência interessante estar com um pé no hemisfério Sul e outro no Norte. Nos meses de março e setembro, pode-se observar no obelisco, de aproximadamente 30 metros de altura, o fenômeno do Equinócio. Não se esqueçam de levar um ovo para testar a lenda de que o ovo se equilibra em pé sobre a linha do equador. Fica aberto diariamente das 9 às 20h.

Marco Zero do Equador em Macapá

Um pé no hemisfério norte e outro no sul

– Trapiche Eliezer Levy

É como um píer que se estende 400m sobre o rio Amazonas e oferece uma bonita vista. Tem um bonde elétrico que leva ao final, onde se encontra um restaurante (nunca frequentei o restaurante, mas já andei no bonde quando estava com preguiça de caminhar). O que mais gostamos ali é uma sorveteria com sabores diferentes que são bem gostosos. Adoro o de cupuaçu, o de nutela e o de carimbó (castanha do Pará com doce de cupuaçu). Do Trapiche, pode-se observar a Pedra do Guindaste, cerca de 300m da margem do rio. Sobre ela, há uma imagem de São José, o padroeiro da cidade.

Trapiche Macapá

– Complexo Beira-Rio

Beira-Rio Macapá

Beira-Rio

A região em volta do trapiche que é uma área de lazer bem procurada da cidade, com alguns quiosques de restaurantes e choperias, carrocinhas vendendo batata frita (super – hiper – oleosa! Nunca comi, mas só o cheiro causa enjoo), alguns brinquedos tipo pula-pula inflável para as crianças e uma pequena parte de rua fechada onde as pessoas andam de bicicleta, patins, etc (alugam algumas bicicletas no local). À margem do rio, se estende uma calçada que é muito usada para caminhadas.

– Casa do Artesão

É o centro de artesanato da cidade de Macapá, onde são expostos e comercializados produtos à base de vime, madeira, argila, penas, entre outros elementos retirados da natureza, tanto dos artesãos locais como dos indígenas.

– Museu Sacaca

É um museu ao ar livre onde é possível conhecer mais sobre a forma de viver dos povos tradicionais da Amazônia. O local reproduz em detalhes as casas e o dia a dia dos indígenas, ribeirinhos e castanheiros. É bem interessante. Seu horário de funcionamento é de segunda a sexta das 7:30 às 11:30 e das 14:30 às 17:00; aos sábados das 15:00 às 18:00. Entrada franca.

Museu Sacaca Macapá

– Encontro com os Botos

Nós fizemos um passeio de barco pelo rio Matapi para encontrar os botos rosas. Oferecido por uma agência de turismo local, o valor por pessoa foi 80,00 reais e teve duração de 2 horas e meia. É um passeio lindo e super recomendado. Tive medo de acabar não vendo boto algum, mas a quantidade de botos é enorme. Quem quiser, pode mergulhar perto deles, mas essa experiência eu pulei, não suporto entrar na água escura do rio e não saber o que está acontecendo perto das minhas pernas. Cada doido com sua mania. Fora que eu morro de medo de peixe, então mergulhar em qualquer lugar que seja não é atividade para mim. Mas… Matheus e Gabriel não puxaram a mãe. Ao final, ainda apreciamos o pôr do sol.

Encontro com o boto rosa rio Matapi Macapá
 
passeio de barco pelo rio Matapi boto rosa Macapá
 
Fora da cidade, ainda há algumas opções turísticas, mas não chegamos a conhecer (sou mais urbana!). Como questão informativa, para quem tiver interesse, vou colocar o que pesquisei:

– Praia da Fazendinha, localizada a 16Km de Macapá, banhada pelo rio Amazonas, tem opções de restaurantes com pratos típicos.

– Pororoca, fenômeno natural produzido pelo encontro das correntes de maré com as correntes fluviais. O termo pororoca vem do Tupi Porórka, gerúndio de porórog, que significa estrondar. Ocorre de 12 em 12 horas com mais intensidade na época das chuvas (janeiro a maio e setembro) durante as luas nova e cheia. A altura das ondas varia de 3 a 6 metros, sendo muito utilizada para prática de surf. O acesso pode ser:

Rodoviário

  • BR-156, a 1h30, em Ferreira Gomes.
  • BR-156, com entrada no Km 50.
  • AP-070, pela rodovia do Curiaú, a 2 horas.

Fluvial

  • de voadeira, a 3 horas, em Ferreira Gomes.
  • em embarcação de médio, pela foz do rio Amazonas até a foz do rio Araguari, de 15 a 18 horas.

Aéreo

  • De Macapá, em voo de 50 minutos, até a pista de pouso localizada na Fazenda Santa Isabel.

– Cachoeira de Santo Antônio, localizada município de Laranjal do Jari, a 270 Km de Macapá, tem uma queda d’água de 30 metros de altura, cercada pela floresta tipicamente amazônica. O acesso se dá a partir do rio Jari.

– Cachoeira Grande, localizada entre os municípios de Amapá e Calçoene, a 302 km de Macapá, é formada por corredeiras sobre formações rochosas, sendo uma área boa para banho. O acesso é feito pela BR 156.

 
 

Quer saber como foi a experiência de morar em Macapá? Falamos sobre nossa Transferência para Macapá. 


(Nos acompanhem também noFacebook      Twitter      Instagram)
 

_____________________________________________________________________________

Posts relacionados:

Belém do Pará

Oiapoque

Porto Alegre

Gramado/Canela

 

Anúncios
Categorias: Brasil, Macapá, Macapá, Viajando | Tags: , , , , , | 5 Comentários

Navegação de Posts

5 opiniões sobre “Macapá – o que conhecer no extremo norte do Brasil

  1. Keyla

    Gostei do blog, está sendo muito útil para mim que estou indo para Macapá. Na verdade, tenho que decidir se vou assumir ou não o cargo ao qual fui nomeada. É uma decisão que tenho que tomar como definitiva, pois não sou militar. Você iria com sua família se tivesse passado num concurso público e que fosse possível para o trabalho de seu esposo?

    • Oi Keyla, que bom o blog estar sendo útil pra vc. Agora a pergunta que vc me fez é muito difícil de ser respondida. O que não funcionou para mim, não necessariamente não funcionaria para vc. Eu não me adaptei à Macapá, mas isso foi eu. COnheço várias pessoas que gostam, que moram lá desde que nasceram e não querem outro lugar no mundo. É uma capital com jeito de cidade do interior. Quem está acostumado com grandes centros urbanos, pode estranhar inicialmente. E depois até se adaptar. Eu gostava da falta de trânsito, de estar em todo lugar em 5 minutos. Mas se eu, particularmente, tivesse que morar em Macapá definitivamente, não daria certo. Só que isso é pessoal, repito e quero deixar bem claro! O único jeito de saber como seria pra você, é tentando. Se seu concurso for federal, você pode tentar remoção depois do período probatório. Muitas pessoas fazem isso lá. Se não, vc assume, e continua estudando pra outro federal. Lá tem vários concursos assim, e passando, vc muda de órgão e depois tenta a remoção. Tb já vi casos assim. Eu sou do Ministério da Saúde e conheci um funcionário que foi desse jeito. Ele foi pra assumir um cargo estadual, ficou alguns anos e passou pro MS. Assumiu, e 1 ano depois estava removido pra sua cidade natal. Enfim, podem existir outras soluções. Ou você pode gostar da cidade, e nem querer mais sair de lá. O que posso te desejar é muito boa sorte na sua decisão e parabéns pela nomeação. Bjs
      Thyl

  2. Marília Roberta

    concordo!

  3. Marília Roberta

    hummmm ta cheirando a quem vai ficar com saudades dessa terrinha, huahauahauhauahua
    adorei a ideia de postar isso, afinal aqui tem suas qualidades tb… parabéns!

    • Thyl Guerra

      Saudade? De algumas coisas, sem dúvidas. De todos os lugares a gente é capaz de levar algo de bom, né? E temos que compartilhar essa experiência! rsrs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: